Terça-feira, 13 de Janeiro de 2004

...acerca dele...

Ele envelheceu um pouco nestes últimos tempos; nota-o quando olha o espelho ao desfazer a barba; interessante é notar também os pêlos brancos do peito; também não é para admirar. Mas a vida é assim, a vida prega partidas com as quais não se conta. A vida poupo-o durante muitos anos mas nestes últimos dez não foi fácil.
Começou pela falência da sua empresa e os problemas inerentes e subsequentes deram chatices e as pressões provocaram danos; mais tarde, foram problemas do foro afectivo e a seguir problemas de saúde. Passou alguns maus bocados. Quando tudo parecia estar “resolvido” um novo factor destabilizante surgiu para lhe provocar novas dores de cabeça. Há já mais de um ano que ele vive só na companhia de duas velhinhas de 90 anos, sua mãe e uma sua tia; esta já se encontrava acamada mas tudo se ia resolvendo de forma consertada entre ele e sua mãe; porém, eis senão quando, sua mãe também cai doente mas sem doença, “cai” de cansaço, de velhice, de tempos demasiados de pesada vida ao longo de muitos e muitos anos.
Ele é filho único e não tem mais ninguém a quem recorrer; tem os filhos mas estes estão um pouco longe e têm as suas vidas; sempre que podem e tal se torne necessário, eles o ajudam em casos específicos. No entanto, para o dia a dia, ali presente, ele está só.
E sente-se só.
Face aos acontecimentos, teve de criar uma rotina, pois os tratamentos, as medicações e outros factores a isso obrigam; assim, levanta-se por volta das sete e trinta; abre as janelas para que a luz ilumine o ambiente; liga o fogão; prepara a tia para a higiene matinal; depois prepara o pequeno-almoço para ela e termina com o refazer da cama e da limpeza do quarto.
Segue-se idêntico tratamento para sua mãe ainda que não esteja incluída a higiene na medida em que ela ainda a consegue proceder de moto próprio.
Depois delas “arrumadas” ele vai “tratar” de si mesmo.
Por volta das dez da manhã sai e vai fazer as compras que entende necessárias e toma o café da manhã (vício de longos e longos anos).
Regressa a casa e vai ao computador ver o que se passou durante a noite; lê os mails e escreve alguma coisa, pouca é certo pois é necessário ir fazer o almoço.
Tem de fazer as “coisas” como faz no pequeno-almoço: primeiro trata da alimentação da tia e depois almoça ele mais a mãe; findo o almoço segue-se o arrumar da mesa e dos demais acessórios e o lavar da loiça. Por volta das catorze e trinta está “livre” e vai sentar o corpo para descansar a sesta.
A rotina regressa por volta das dezoito horas e segue os mesmos termos até às nove.
É nesta altura que ele se senta em frente do seu portátil e tenta distrair os seus nervos; nervos que se vão deteriorando não por um cansaço físico mas por um sentimento de impotência perante aquilo que a vida lhe deu; sente-se cansado por “dentro”. Então, fala dos “seus” pardais, do gato e do cão, do seu quintal e do sol que se põe sempre a oeste; fala das suas rosas, das nuvens e do vento leste; fala de tudo, menos dele e do “lobo” que há dentro dele… Fala de amor, do amor, de como amar sem posse nem destino; fala de amor incondicional e não o entendem; fala de voos palermas e escreve alguma poesia… Gosta de escrever contos, pequenos textos e alguns pensamentos; gosta muito de fotografia e gosta de as legendar. Fala sobre palavras… ama-as e ama as pessoas…
A resolução do problema passa pelo provável internamento da tia, mas tudo leva o seu tempo neste burocrático país de papéis e petições. Entretanto tem de ser assim.
Às vezes nota-se nele um desânimo e uma tristeza latente. Mas sente-se que a tenta ultrapassar; vê-se muitas vezes um sorriso aberto nos lábios e os passeios pedestres que ele faz ao meio da tarde servem para desanuviar a tensão acumulada durante o dia.
Diariamente lhe perguntam como é que vão as doentes; invariavelmente e a sorrir, responde sempre da mesma forma: “Obrigado, as minhas velhinhas estão bem!”



publicado por quim às 16:06

link do post | comentar | favorito
|
30 comentários:
De quim a 17 de Janeiro de 2004 às 16:20
...to Me&Sun: ainda bem que aí (aqui) estás...
De Me&Sun a 17 de Janeiro de 2004 às 15:49
Aqui estou.
Sorrio(te).
Abraço.
De quim a 17 de Janeiro de 2004 às 14:15
...to Cinda: olá Cin!...claro que sim, claro que o sol ainda brilha; deves ter reparado que "teimo" em fotografar o sol quando ele "tenta" romper o escuro das nuvens... é uma forma de tentar exorcisar os "medos" e pensar que se ele pode eu também posso... assim, mesmo por entre nuvens negras e profundas eu vou sorrindo... beijo pela tua presença...
De Cin50 a 17 de Janeiro de 2004 às 12:24
Ontem adormeci a pensar em ti, em todos nós que já perdemos os nossos amigos de 4 patas. E descobri, ou melhor, confirmei, que este mundo dos blogs, diga-se dele o que se disser, tem o condão de despertar afectos e ternuras dentro de quem escreve e de quem lê. Um cantinho aconchegante e intimista para preencher o vazio e solidão de algumas vidas. Por isso fui "ouvir-te", devagarinho, saboreando as palavras, desde o dia em que nos abriste a tua porta. Bem hajas, amigo. Afinal o sol ainda brilha. Um beijo.
De quim a 15 de Janeiro de 2004 às 20:46
...to Amiga: desculpa amiga Amiga, mas de que discordas? Tenho dito tanta coisa... :)
De amiga a 15 de Janeiro de 2004 às 20:04
Quim:
Discordo daquilo que dizes, mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres.
(Voltaire)

De quim a 15 de Janeiro de 2004 às 14:17
...to Observer: um sorriso e um abraço; obrigado.
De observador a 15 de Janeiro de 2004 às 12:15
Simplesmente belo! Belas as palavras, belos os sentimentos! Parabéns!!! Um abraço.
De quim a 15 de Janeiro de 2004 às 12:10
...to Ventor: obrigado de "força"... penso na verdade que "tenho" mesmo de continuar a falar dos meus pardais, do meu gato e do meu cão, das minhas flores e do meu sol... neste teclado que desliza sob os meus dedos... um abraço forte.
De Ventor a 15 de Janeiro de 2004 às 10:50
Não "amiga"! O Quim, este nosso amigo, não pode deixar de falar com os pardais, com o gato, com o cão ...
Ele precisa exactamente de continuar a falar com eles! Esses fiéis amigos que nos amam e esses belos pardais que animam o quim com o seu chilreio, são um belo reforço para lhe insuflar a força anímica necessária para continuar a sua bela caminhada. Com eles, a companhia do seu quintal, o sorriso das suas flores, e entre muitas outras coisas, o caminhar de Apolo e Diana com as carícias dos ventos de leste!
Caminha amigo, sempre, quaisquer que sejam as veredas, mesmo que seja "over the rainbow"! E, para continuares junto de nós, continua a caminhar paulatinamente sobre o teclado. Nós caminhamos contigo!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ...fim

. Apetites

. ...primeiro aniversário.....

. ...mudei para aqui:

. ...dá prazer ouvir...

. ...amar como o vento...

. ...upgrades...

. ...morreu...

. ...nave...

. ...adeus Fialho...

.arquivos

. Novembro 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds