Sábado, 31 de Julho de 2004

...lua azul...

Hoje, sábado, 31, teremos a segunda lua cheia deste mês de Julho. A primeira foi no dia 2. Duas luas cheias em um mesmo mês é um acontecimento pouco comum, que se repete, em média, a cada dois anos e meio. E a segunda lua cheia em um mesmo mês é chamada de lua azul.

Como o intervalo de tempo entre duas luas cheias sucessivas (também conhecido como período sinódico) é de cerca de 29 dias e meio, podemos ter, de vez em quando, duas luas cheias dentro de um mesmo mês (em geral, intervalo de 30, ou 31 dias). A última lua azul aconteceu dia 30 de novembro de 2001. A próxima, depois da deste mês, vai ser em 30 de junho de 2007.

Na linguagem popular da América do Norte, usa-se a expressão once in a blue moon, ou seja, uma vez a cada lua azul, para aludir a alguma coisa que só acontece raramente. Mas a verdade é que, para quem quiser conferir, dia 31, a Lua cheia vai aparecer com a cor de sempre, isto é, prateada. Ou, talvez, um pouco amarelada, até mesmo alaranjada (ao nascer), caso haja um pouco de poeira na atmosfera.

Apesar da expressão lua azul ser figurada, luas azuis de verdade têm sido vistas esporadicamente, e não somente na Lua Cheia. Este fenômeno raro pode acontecer quando se vê o nosso satélite através de nuvens de cinzas vulcânicas ou fumaças de grandes incêndios florestais cujas partículas tenham todas mais ou menos o mesmo tamanho, da ordem de um milésimo de milímetro, pois elas dispersam fortemente a luz vermelha e amarela, mas deixam passar a luz azul (a luz branca da Lua, que é apenas luz solar refletida, é uma mistura de várias cores). Entretanto, na imensa maioria dos casos, a poeira produz justamente o efeito inverso: absorver a luz azul e deixar passar a luz vermelha.



(from: Prof. Luis Augusto L. Silva)
publicado por quim às 11:41

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Julho de 2004

...infância...

musicos.jpg

...ali, uma pequena estátua em branco, meninice perdida em anos que percorridos foram por aqui, no meio de árvores sem jardim, sem motivos, apenas com as recordações...
publicado por quim às 17:29

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Julho de 2004

...entrega...


...abraço o vento


...aperto-o forte


...não lamento


...perder meu norte


...sinto-me gritar


...e me entrego total


...à maresia do meu eterno mar...

publicado por quim às 19:07

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Terça-feira, 27 de Julho de 2004

...sebastianismo...

ocaso1.jpg

...ou, um ocaso no nevoeiro...
publicado por quim às 19:03

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Julho de 2004

...o momento divino...

Desde sempre me interroguei sobre o porquê do orgasmo ser algo que não tem similitude com qualquer outra sensação do corpo humano; ou seja, os sentidos proporcionam-nos sensações definidas e concretas que sabemos entender e para além de as poder referenciar, podemos também encontrar algumas parecenças entre umas e outras; estou a lembrar, por exemplo, o “prazer” de aliviar a bexiga, o “prazer” de espirrar, o “prazer” de inspirar a maresia, o “prazer” de saborear um bom gelado, etc.
Nesses prazeres, podemos encontrar algumas parecenças entre uns e outros mas todos eles definidos, circunscritos e absolutamente “normais”.
O prazer no momento do orgasmo é algo que transcende todos os outros prazeres; é o prazer supremo; o cume dos sentidos; o topo de gama!...
Em toda esta minha vida ainda não encontrei nada melhor, nada que proporcionasse ao meu corpo (e penso que ao meu espírito) a escalada ao pico dos prazeres sensoriais.
É algo que não tem explicação.
Podem vir com teses neurológicas, fisiológicas e outras que tais mas a verdade final será sempre a mesma: maior e melhor prazer que um orgasmo, não existe!...
Daí que, me tenha interrogado ao longo da vida sobre o porquê de tal sublimação!
Ou seja, porque razão é aquele e não outro o prazer maior.
Há filosofias que defendem a ideia de que o sexo é a sublimação por excelência na medida em que significa a união que cria vida.
Repensei e admiti que o orgasmo também pode ser obtido por estimulação solitária, a vulgar masturbação. Porém, aprendi ao longo da vida que há diferença no prazer que se obtém no orgasmo provindo dum acto solitário e o que se obtém na junção de dois corpos no acto da mais pura cópula, entenda-se vaginal.
Assim, fui procurando tentar entender porque razão a “natureza” premeia com um prazer sublime todo e qualquer acto sexual na junção de um pénis com uma vagina.
Desde a necessidade de procriar para a continuidade da espécie, até à frase batida de que até os animaizinhos gostam, a verdade é que de todos os actos humanos, aquele é o topo de gama!
Só há uma razão: aquele momento é o momento divino, é o momento em que Deus está em nós e se sublima, sublimando-nos!...
É o momento em que Ele vive, em que Ele vibra…
É o momento em que Ele diz que existe, que está, que é… é o momento em que Ele nos penetra em totalidade e num único e breve instante Ele se reduz à insignificância do Homem e se transcende na divina certeza de que aquele é tão-somente e apenas o momento da fusão da carne e do espírito…
o fugaz momento em que o Homem se torna Deus!...

publicado por quim às 18:35

link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Domingo, 25 de Julho de 2004

...precisão...

middlearthit.jpg


"I do not need to be a part of your sadness;


I just need to be the reason of your smile."


 


(from: indeterminado.blogs.sapo.pt)


 (photo from: Curtis Neeley)

publicado por quim às 20:28

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sábado, 24 de Julho de 2004

...ao acaso...

"Preciso de equilíbrio. Harmonia. O meu corpo parece um daqueles bonecos que saltam das caixas e, por uns instantes, andam aleatoriamente em todas as direcções. A diferença é que eles, eventualmente, param. Eu não. Há demasiado tempo que não tenho regras, embora agora me pergunte porque razão equilíbrio terá que significar, forçosamente, regras. Se calhar porque o meu estômago me pede desalmadamente todas as refeições decentes que não comi e as minhas pálpebras me pedem todas as horas que não estiveram quietas. E os meus pulmões pedem impiedosamente que abra caminho aos detritos de todos os cigarros que sorvi. E o meu cérebro reclama todos os livros que não li e a minha alma exige toda a quietude que tão bem havia aprendido a suportar e eu não sei se me suporto durante muito mais tempo assim. Estou dividida, maltratada, deslocada. Dividida entre o que sou e o que pretendo ser, maltratada por todas as pressas que não deixaram cuidar-me, deslocada de mim. Às vezes, sinto que estou neste corpo, mas não sou deste corpo. E vejo a alma como uma bolsa perfeitamente extraível pendurada por aqui, e a fazer o seu trabalho no balcão errado."


 


(in: www.lorenza.blogspot.com)

publicado por quim às 16:08

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Julho de 2004

...Serge Regiani...

370119737.jpg

...lembrar também, mais esta voz que partiu...
publicado por quim às 21:32

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

...Carlos Paredes...

414837787.jpg

...lembrar, apenas...
publicado por quim às 14:15

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Julho de 2004

...procura...

Não penses que sabes tudo ou que sabes que podes tudo saber; nada se consegue saber apenas com a aprendizagem; é preciso buscar, é preciso viver, é preciso sentir, ser e estar; nada se consegue saber apenas com o olhar; é preciso ouvir, tocar, cheirar… usar todos os meios ao teu alcance para que um lampejo de sabedoria surja perante ti, mesmo os meios que não possuis, ou seja, usando a sabedoria dos outros, daqueles que têm algo para te dizer, para te contar, para te oferecer.
Depois, lança esse conhecimento no teu ser; cozinha-o com todos os ingredientes que possas arranjar, tenta um lume brando e usa teu instinto.
O produto final será teu e de mais ninguém; foste tu que o obtiveste com o teu trabalho, com a tua busca, com o teu empenho e não só com o que te deram.
Depois, prova esse produto e digere-o com prudência e com lentidão.
Porém, sempre que possas, usa um pouco de loucura, dá-lhe um toque final, impõe-lhe a tua marca e oferece-o a quem o procura.
Não o retenhas pois de nada te serve guardado no sótão da tua memória.
Areja-o e reparte-o com os outros.
A seguir, procura novo saber.
E repete o processo.


publicado por quim às 14:53

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ...fim

. Apetites

. ...primeiro aniversário.....

. ...mudei para aqui:

. ...dá prazer ouvir...

. ...amar como o vento...

. ...upgrades...

. ...morreu...

. ...nave...

. ...adeus Fialho...

.arquivos

. Novembro 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds